Busca

                
 
 
  • Um grupo de estudantes do 7º período de Biomedicina da UCP visitou nesta segunda-feira (20.05) os laboratórios da pesquisa da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A atividade com os alunos da disciplina de Biotecnologia foi viabilizada pelo Prof. da Engenharia Química da UFRJ, Daniel Tinoco.

    Os graduandos conheceram o Laboratório de Biotecnologia Microbiana (LaBiM), com a Profª. Dra. Denise Freire; o Laboratório de Engenharia de Cultivos Celulares (LECC), com a Profª. Dra. Leda Castilho; o Laboratório de Controle de Poluição das Águas (LabPol), com a Profª. Dra. Márcia Dezotti; e o Laboratório de Desenvolvimento de Bioprocessos (Ladebio), com o Prof. Dr. Nei Pereira Júnior. 

  • Estudantes da disciplina de Biotecnologia, do curso de Biomedicina da UCP, participaram nesta quinta-feira (16.05) de uma atividade diferente ao visitar a nanofábrica da Cervejaria Bohemia, em Petrópolis. A ideia é proporcionar aos alunos, durante toda a graduação, experiências e vivências práticas com as opções do mercado de trabalho.

    “Foi uma visita com muito conhecimento e com o intuito do aluno conhecer áreas de atuação nas matérias profissionalizantes. Nesta visita tivemos a participação de alunos do primeiro período, para que desde o começo da graduação tenham conhecimento da amplitude de possibilidades que o curso oferece no aspecto profissional”, comenta a Profª. da disciplina, Paola Cappelletti.

  • O professor dos cursos de graduação e mestrado em Direito da UCP, Klever Paulo Leal Filpo, lançou nesta sexta-feira (10.05) no auditório do Campus Dom Veloso o livro Potencialidades e incertezas de formas não violentas de administração de conflitos no Brasil e na Argentina, custeado com recursos da CAPES. O evento teve a participação de alunos da graduação, mestrado, de outros cursos e também advogados da cidade. O lançamento também aconteceu à noite na OAB Petrópolis.   

    A publicação foi organizada pelo docente da UCP e pelas professoras Bárbara Lupetti (PPGD/UVA e UFF), que também esteve presente no evento, e Kátia Sento Sé Mello (PPGSS/UFRJ e INCT/InEAC). O lançamento contou, ainda, com a participação de uma das autoras, Thais Borzino Cordeiro Nunes. 

  • No dia 25 de abril é comemorado o Dia da Contabilidade. A data não passou em branco na UCP e foi celebrada com palestras oferecidas aos alunos nesta quinta-feira (25.04). O encontro aconteceu no Salão Nobre do Campus Dom Veloso e contou com a participação do Aroldo Planz, egresso da Universidade e atualmente presidente da Academia de Ciências Contábeis do Estado do RJ, e também do acadêmico Ril Moura, que tem especialidade como perito judicial.

    O evento comemorativo teve o objetivo, além de celebrar a data, de apresentar a Academia de Ciências Contábeis do RJ e passar aos alunos, por meio dos palestrantes convidados, suas experiências na área. Eles falaram sobre o profissional de contabilidade no século XXI, abordando as mudanças pelas quais a profissão passou nos últimos anos e sobre as adequações que o contador teve que passar para atuar no mercado de trabalho, que agora exige do profissional um gerenciamento mais amplo de informações. A área sobre perícia contábil também foi destaque na palestra do acadêmico Ril Moura.

    “Este evento foi muito importante, pois trouxemos a Academia de Ciências Contábeis do RJ para que nossos alunos conheçam, além de um de seus principais especialistas, o professor Ril Moura que muito contribuiu com sua experiência na área da perícia. E o professor Aroldo Planz, atual presidente da Academia, um egresso da UCP, o que muito nos honra. O melhor reconhecimento que a Universidade pode ter é seus alunos em posição de destaque e assumindo uma importante posição de liderança”, disse o coordenador do curso de Ciências Contábeis, Rodolfo Nicolay.

  • Docentes e discentes do curso de Comunicação Social/Publicidade e Propaganda da UCP se reuniram nesta terça-feira (16.04) para um bate-papo sobre o curso, mercado de trabalho, empreendedorismo e assuntos sobre a área. O I Integra de Comunicação Social aconteceu no auditório do Campus Dom Veloso.

  • Entre as 50 personalidades eleitas pela Revista Times como formadores de opinião mais importantes da América, com longa lista de produção literária e cinematográfica, o autor chileno Alberto Fuguet foi o tema do Expoentes da Literatura de abril. O encontro aconteceu nesta quarta-feira (24.04) no auditório do Campus Dom Veloso para a palestra Não sou um realista mágico: aspectos da obra de Alberto Fuguet, com o professor Veber Viana Gusmão.

    Neste evento, o objetivo foi apresentar aos alunos do curso de Letras e demais interessados aspectos da obra de Fuguet, seu olhar questionador e sua crítica incisiva à tendência latino-americana de produção literária sob a ótica do Realismo Mágico.

    “Durante muito tempo na América Latina imperou uma estética chamada Realismo Mágico ou Realismo Fantástico. Mas o Realismo Fantástico criou uma espécie de estigma para o escritor latino-americano. Você não conseguiria projeção internacional, vendas e publicar o seu livro se não fosse um realista fantástico. Alguns autores seguiram essa linha. Mas o Fuguet se recusou a fazer isso. Ele vem de uma outra formação cultural. Ele vem contestando essa ideia de que para fazer sucesso enquanto latino-americano você tem que ser necessariamente um realista fantástico”, explica o professor.

    Expoentes da Literatura fala de Alberto Fuguet

    Ele conta que o autor foi criado na infância nos Estados Unidos e por isso esse desprendimento com a estética latino-americana. A ideia do encontro desta quarta, além de apresentar o autor chileno, foi discutir a concepção de Fuguet acerca da importância da diversidade literária latino-americana e também ampliar a interação entre o público leitor brasileiro e a produção literária latino-americana.

    “Ele conseguiu bastante projeção na América Latina com o que ele chamou de Realismo Virtual. Um contraponto do Realismo Fantástico que para ele simbolizava o atraso, amarrar no estereótipo da terra, dos ditadores ao atraso. Ao mesmo tempo que o Realismo Mágico deu projeção à América Latina, ele também nos levou um atraso que não nos fez dar um salto literário que nós precisamos”, observa Veber.

  • Considerada atualmente a maior plataforma de consumo de entretenimento, a Netflix é objeto de pesquisa de estudantes do curso de Publicidade e Propaganda da UCP. Na segunda-feira (15.04) foi realizado o grupo focal sobre o tema para discutir as ritualidades na prática de maratona de séries na plataforma Netflix.

    O objetivo da atividade é mapear as características do consumo de ficção seriada junto ao público jovem. A escolha da Netflix como objeto da pesquisa é justamente pelo fato da plataforma ter mudado a forma como as pessoas assistem séries. 

    Para a professora Raquel Lobão, líder na pesquisa e que também mediou um dos grupos participantes do trabalho, atividades como esta contribuem no aprendizado do aluno de maneira enriquecedora. 

    “Eu acredito que os alunos bolsistas têm aprendido bastante sobre metodologia de pesquisa, comportamento do consumo e narrativas - os três pilares conceituais que permitem a descrição do nosso objeto de estudo”, pontua.

  • Com objetivo de apresentar aos alunos do curso de Pedagogia e licenciaturas novas vivências didáticas, foi promovida nesta terça-feira (16.04) a palestra Metodologias ativas: faz sentido? O encontro contou com a participação da mestre em Educação, Mônica Chung Marques Corrêa Tesch.

    Um modelo mais atual de didática dentro da sala de aula, que pode ser usada desde a Educação Infantil ao Ensino Superior, a Metodologia Ativa se torna muitas vezes mais eficaz no aprendizado do aluno. 

    “É a tendência atual. Hoje, muitos colégios e universidades já trabalham a metodologia ativa, principalmente na área da Saúde. Dessa forma a aprendizagem é mais significativa. O aluno aprende fazendo. Ele mesmo constrói o seu conhecimento. Aos poucos eles vão se interessando e se aprofundando”, comenta Mônica, que realizou uma espécie de palestra/oficina para os estudantes.  

    “Vou tratar de três abordagens da Metodologia Ativa: que é a sala de aula invertida; a “gamificação” e o ensino híbrido. Faremos uma atividade dinâmica para os alunos aprenderem uma metodologia para se apropriarem do conhecimento que vamos conversar hoje”, conta.

  • No último sábado (13.04), o curso de Arquitetura e Urbanismo da UCP promoveu uma mesa-redonda sobre Territorialidade Socioambiental e Sustentabilidade. O encontro, que aconteceu no Auditório do campus Dom Cintra, foi feito por três arquitetas formadas pela Universidade do Grande Rio que apresentaram seus trabalhos de conclusão do curso relacionados à temática.

    Os trabalhos têm abordagem em três projetos urbano-paisagísticos na Baixada Fluminense, visando a complementação do conhecimento de áreas correlatas ao currículo do curso de Arquitetura e Urbanismo da UCP. A mesa-redonda teve o objetivo de introduzir as questões socioambientais presentes na região da baixada fluminense, preparando os argumentos dos projetos a serem apresentados ao público. 

  • Para assimilar a teoria à prática, os estudantes de Psicologia da UCP fizeram uma visita técnica à empresa Alfa Laval, no bairro Carangola, e à Unidade Básica de Saúde do Quitandinha. A atividade, que aconteceu nos dias 22 e 20 de março, respectivamente, faz parte da disciplina Estágio Supervisionado em Psicologia em Processos de Gestão I e II. 

    Alunos na visita técnica da Alfa Laval
    Alunos na visita técnica da Alfa Laval

    As visitas técnicas promovidas pela disciplina têm grande importância para que os alunos entrem em contato com a prática que irão realizar em Treinamento e Recrutamento e Seleção de Pessoal. É uma forma de conhecerem um dos campos de do psicólogo.

    “A visita técnica é importante como atividade complementar na formação do estudante de Psicologia agregando conhecimentos práticos às teorias recebidas em sala de aula. A visita técnica visa o encontro do acadêmico de Psicologia com o mundo profissional, a observação do ambiente real de uma empresa/unidade básica de saúde em plena atividade. O propósito principal é preparar o estudante para o ingresso no mercado de trabalho”, frisa o professor Antônio Rubens de Meira Coelho, supervisor da atividade junto com o professor Luis Antonio Monteiro Campos.

    Estudantes visitaram a Unidade Básica de Saúde do Quitandinha
    Estudantes visitaram a Unidade Básica de Saúde do Quitandinha


  • Os estudantes do 4º período do curso de Marketing da UCP participaram da tradicional Noel Runners, que teve sua 7ª edição realizada nesta quarta-feira (19.12) no Centro Histórico de Petrópolis. O evento tem como principal objetivo arrecadar mantimentos para instituições carentes do município e foi pauta dos alunos no Projeto Integrador, no qual foi debatido o tema nas disciplinas de Marketing Esportivo e Assessoria de Imprensa. A turma também participou da corrida solidária entregando uma doação feita pelos estudantes.

  • A professora dos cursos de Comunicação Social, Marketing e Administração da UCP, Katia Manangão obteve aprovação de dois artigos para apresentação em eventos científicos da área. Os dois trabalhos são resultados parciais de seus estudos para a tese de doutoramento no Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social (PPGCOM) da PUC-RJ.

    Professora de Comunicação Social apresenta trabalhos em congressos

    O artigo Construções Sonoras, Memória e Propaganda foi apresentado no XV POSCOM, realizado de 6 a 9 de novembro na PUC-Rio,  e contextualizou o jingle como tradicional e relevante representação cultural do som na publicidade, propondo ainda que este seja tratado como suporte de memória na cultura material, evocando experiências afetivas nos interlocutores, imprimindo significados e incremento da imagem de marcas que se utilizam desse recurso para suas estratégias de sensibilização.

    O primeiro artigo foi apresentado em outubro no Congresso Internacional de Comunicação e Consumo -  COMUNICOM 2018, que aconteceu na ESPM-SP. Ele trata do Impacto do Jingle na Memória Afetiva dos consumidores, sendo um estudo exploratório para identificar a propaganda como instrumento de mediação de consumo, apresentando-a como um “bem” e consumida além de sua função de ferramenta de comunicação. 

    “Por meio do jingle, a propaganda se torna memória e se apropria de significado simbólico afetivo na vida dos indivíduos. Neste artigo foram apresentados resultados parciais de pesquisa de levantamento realizada com 50 entrevistados sobre a percepção e o impacto do jingle na vida e memória destes”, explica a professora. 

    Professora de Comunicação Social apresenta trabalhos em congressos
  • A UCP esteve representada no XI Congresso Mundial de Motricidade Humana, que aconteceu entre os dias 18 e 22 de setembro em Aracaju, Sergipe. Com o tema Saúde e Emagrecimento, o evento reuniu profissionais da área de diversas partes do Brasil e de outros países. No evento, o professor doutor Gilmar Senna, do curso de Educação Física, ministrou palestras e mediou uma mesa-redonda sobre lesões e treinamento de força.

    Professor de Educação Física ministra palestras em congresso internacional em Aracaju

    Nas duas palestras que ministrou, o professor doutor Gilmar Senna falou sobre Variáveis metodológicas do treinamento de força e Treinamento de Força e Emagrecimento.

    “É importante essa participação, uma vez que mostra a relevância do corpo docente da graduação em Educação Física da UCP em um evento de abrangência internacional. E coloca o nome da UCP junto às principais Universidades de Educação Física no mundo na área. O congresso recebeu pessoas de diversas partes do mundo, com visitantes de Portugal, Alemanha, Espanha, México, Colômbia, entre outros, que tiveram a oportunidade de ver um pouco do trabalho desenvolvido com os alunos da UCP”, destaca Senna. 

  • Apresentar o panorama do Papado Medieval no contexto da Idade Média Central foi o objetivo da palestra Bispos guerreiros: Fé e Violência antes das Cruzadas, realizada na noite desta quinta-feira (31.08) no Salão Nobre do campus BC. O evento, promovido pelo curso de História, também foi o lançamento do livro homônimo do mestre em História Comparada, Leandro Rust que ministrou a palestra. 

    “Vamos abordar um assunto que é um velho conhecido dos historiadores, mas que é tratado meramente como nota de rodapé da história. São as figuras chamadas de Bispos Guerreiros. São bispos plenamente inseridos na igreja – não são clandestinos, marginais ou nada do gênero -, mas que tinham pleno envolvimento com a vida militar. Alguns iam a campo de batalha, a maior parte deles liderava exércitos como senhores seculares. Mas eram figuras do clero”, explica Rust, que se dedica a pesquisas sobre História Medieval, História do Papado e História da Violência.

    “Então vamos tratar de figuras que colocam um desafio prático: que é entender como alguém que pratica plenamente o sacerdócio cristão de uma religião que já foi considerada como ostensivamente pacifista pode ter essa relação tão próxima, e historicamente tão visceral com derramamento de sangue, de campo de batalha, com a guerra e como se casam as coisas”, completa o historiador.

  • O professor da graduação e do mestrado em Direito da UCP, Daniel Machado Gomes, e seu aluno orientando do mestrado, Robson César Durão, tiveram um artigo premiado no Congresso Franco-Brasileiro de Direitos Fundamentais e Igualdade. Com o título O Ensino Confessional nas Escolas Públicas Segundo a ADI 4.439: Desafios à Isonomia, a dupla foi contemplada com o prêmio Jacqueline Morand-Deviller. A cerimônia de entrega aconteceu na terça-feira (05.06), na PUC de Curitiba, e o prêmio recebido pelo co-autor do trabalho, Robson César Durão, das mãos da professora Morand-Deviller, da Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne.

    O artigo foi desenvolvido a partir de estudos realizados no Núcleo de Direitos Humanos da UCP com o grupo de pesquisa do professor Daniel. Ele trata da importância da isonomia para garantir a liberdade religiosa, analisando os impactos da decisão do Superior Tribunal Federal sobre o ensino confessional nas escolas públicas, com base nas ideias do pensador comunitarista canadense, Charles Taylor.  

    Para Daniel, o “prêmio é o reconhecimento da excelência dos estudos desenvolvidos na UCP sobre direitos humanos e fundamentais”.

    “Neste sentido, o prêmio amplia nossa visibilidade na comunidade acadêmica e, sobretudo, aumenta a percepção da sociedade sobre o compromisso com os direitos humanos assumido pelos nossos projetos pedagógicos do curso de Direito e do mestrado em Direito. Assim, cada vez mais a UCP se firma como um centro de estudos nesta área”, afirma o docente.  

    O professor salienta, ainda, a importância do prêmio como incentivo na continuidade no trabalho feito na UCP. 

    “Particularmente, o prêmio me deixa honrado porque confirma a adequação do método intelectual que busco desenvolver com meus orientandos em nossas pesquisas, no qual procuramos sempre analisar normas jurídicas concretas a partir de questões teóricas em torno da fundamentação do Direito”, disse. 
    Artigo de professor e co-autoria de aluno é premiado no Congresso Franco-Brasileiro de Direitos Fundamentais e Igualdade, em Curitiba
  • Os estudantes do Centro de Teologia e Humanidades da UCP discutiram, durante todo o sábado (17.08), sobre África e Educação: avanços, desafios e realidades. O tema norteou a I Jornada Discente do CTH, organizada pelos próprios alunos e realizada no Campus Dom Veloso.

    A programação contou com palestra, mesas-redondas e apresentação de trabalhos e teve o objetivo de discutir a importância do diálogo interdisciplinar nos debates acerca de África e Educação. Foi uma oportunidade de abordar a cultura africana e afro-brasileira em diferentes aspectos: literatura, pensamento filosófico e religioso e ensino de história.



    O evento foi destinado a toda comunidade acadêmica, sobretudo estudantes e pesquisadores da graduação.

    “Eventos organizados por estudantes tem um caráter particular, no sentido de ser organizado e pensado por estudantes e para estudantes. Nessa perspectiva, a jornada é exemplo disso. Espaços de discussão, como os proporcionados pela jornada, são indispensáveis para a formação de professores, principalmente após as leis 10.639 e 11.645, que incluiu nos currículos das escolas a obrigatoriedade da temática de História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena. Além do mais, precisamos discutir sobre África”, observa Luvas Ventura, aluno do curso de História e integrante da comissão organizadora do evento.

  • Foi aberta nesta segunda-feira (19.08), no Campus Dom Veloso da UCP, a Semana Jurídica 2019 que contará com programação todos os dias até sexta-feira (23.08). Em sua 23ª edição, o evento realizado pelo Centro de Ciências Jurídicas da UCP, por meio dos cursos de graduação e mestrado em Direito,  tem a proposta de proporcionar um ambiente de discussão, reflexão e incentivo de produção científica, capaz de traçar vetores tendentes a acomodar questões relevantes sobre Direito na contemporaneidade. Uma missa também foi realizada, nesta segunda, ocasião em que foi dada uma bênção aos professores do curso de Direito pelo evento acadêmico.



    “A Semana Jurídica é um momento de integração acadêmica, dos cursos de graduação e também do mestrado em Direito. Nós buscamos trazer grandes figuras, pessoas que possam contribuir ativamente para a formação do nosso aluno. Teremos ao longo dessa semana discussões sobre temas absolutamente relevantes para o Direito, mas que não necessariamente seriam discutidos no âmbito da sala de aula em razão das suas peculiaridades. Até mesmo pela impossibilidade material de se discutir todas as questões”, observa o coordenador do curso de Direito, Maurício Pires Guedes.

    Na abertura, o público conferiu no auditório pela manhã a palestra Culpabilidade penal,com o delegado de Polícia do Estado de Minas Gerais, Gabriel Hillen Albernaz Andrade, que é graduado em Direito pela UCP; e à noite, no Salão Nobre, sobre o tema Megaprocessos criminais, com o advogado criminalista, Diogo Malan.



    “Megaprocessos criminais é na verdade uma prática em busca de uma teoria. Eles ocorrem na prática e tem vários casos. Os processos da Lava Jato podem ser considerados megaprocessos. Na palestra de hoje a minha ideia é tentar fazer uma construção teórica sobre esse fenômeno: explicando o que é que são e quais são as características que diferenciam os megaprocessos dos processos originários”, comenta Malan, destacando a importância de abordar o assunto para os estudantes de Direito.

    “A principal importância para os estudantes é eles entenderam que existe uma intersecção entre a política criminal e a dogmática do processo penal, e entenderem qual é a fenomenologia do processo penal na pós-modernidade”, completa.

    A programação ainda contará com outras palestras; lançamento do livro Direito Financeiro e Direito Tributário, do Prof. Roberto Wagner Lima Nogueira; e ainda o I Simpósio de Estudos Jurídicos.

  • O professor de Direito Financeiro e Tributário da UCP, Roberto Nogueira, participou do 1º Congresso de Procuradores Municipais do Estado do Rio de Janeiro, que foi realizado na última quinta-feira (29.03) na sede da OAB-RJ no Centro do Rio de Janeiro. Doutorando em Direito, Nogueira participou da Mesa de debates sobre enunciados de direito tributário a convite da procuradora de Petrópolis e presidente do grupo de trabalho, Vanessa Velasco.

    Professor de Direito Financeiro e Tributário da UCP, Roberto Nogueira, participou do 1º Congresso de Procuradores Municipais do Estado do Rio de Janeiro na sede da OAB no Rio.
    Professor da UCP, Roberto Nogueira (à esquerda); procuradora de Itaguaí, Renata Márcia; procuradora de Petrópolis, Vanessa Velasco; e procurador de Volta Redonda, Gustavo Seabra
  • O professor da UCP, Klever Filpo, ministrou na última sexta-feira (23.03), na Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Petrópolis, a palestra Advocacia e os desafios da mediação. O evento marca o início das atividades da Comissão de Mediação da OAB-Petrópolis, presidida pelo advogado Solon Michalski. O encontro foi organizado pela Escola Superior de Advogacia (ESA), representada pela diretora e docente da UCP, Josília Fasbender, e OAB-Petrópolis, que tem a frente o advogado Marcelo Scheifer. 


  • A doutora em Educação, Maria Celi Chaves Vasconcelos, abriu a aula inaugural do programa de pós-graduação em Educação da UCP, que foi realizada na tarde de quarta-feira (14.03) no auditório do campus BC. Ela falou sobre Arquivos, Fontes e Acervos: a pesquisa em Educação.

Rua Benjamin Constant, 213 
Centro - Petrópolis/RJ
24 2244-4000